Show do Antônio Carlos: Astróloga e radialista Zora Yonara morre aos 91 anos

Astróloga e radialista Zora Yonara ARQUIVO PESSOAL 

Natural de Vitória, no Espírito Santo, ela atuou na TV Gaúcha de 1974 a 1980


A Astrologia surgiu por acaso, quando ela teve de substituir um astrólogo que faltou ao trabalho na Rádio Globo, e o radialista Mário Luiz pediu para ela ler no ar o horóscopo que o estudioso tinha feito. Zora foi até a Itália, o Egito e outros países atrás de conhecimento, livros e formação sobre os astros.

A astróloga e radialista Creusa Gramacho Carosella, mais conhecida como Zora Yonara, morreu na tarde desta sexta-feira (11), no Hospital Copa D’or, no Rio de Janeiro. Aos 91 anos, ela foi vítima de uma pneumonia, depois de passar 10 dias internada.

O hospital declarou em nota que não pode divulgar detalhes: “O Hospital Copa D’Or lamenta a morte da paciente Creusa Gramacho Carosella (Zora Yonara) na tarde desta sexta-feira e informa que não tem autorização da família para divulgar mais detalhes”.

Natural de Vitória, no Espírito Santo, a astróloga atuou na TV Gaúcha de 1974 a 1980. Por anos, foi responsável pelo bloco de astrologia no Jornal do Almoço, quando respondia a perguntas enviadas pelos telespectadores.

Em entrevista a Zero Hora em 2012, Zora, que já morava no Rio de Janeiro à época, disse que se considerava “gaúcha de coração”:

— Não vim inteira do Sul. Um pedaço da minha alma ficou aí. Se eu morrer no Sul, vou morrer feliz.

A carreira dela na astrologia foi por acaso. Ainda na juventude, Zora, que até então atendia por Creusa, saiu do Espírito Santo para fazer teste de atriz na Rádio Globo. Foi aprovada para a radionovela Minha Vida É Assim.

Um dia, o astrólogo Joe Ramath não foi trabalhar e, de repente, lá estava ela lendo o texto do colega. O tom otimista das previsões, combinado à voz marcante de Zora, fez sucesso, e a jovem passou a estudar o assunto por conta própria. E foi com o horóscopo que alcançou público maiores, nos anos 1980, ao ser escalada para o TV Mulher, da Globo. Em 2012, foi citada na letra do samba-enredo da escola de samba Acadêmicos de Santa Cruz, que homenageava o programa de rádio.

 

Em 2018, ela completou 60 anos de carreira, mas não revelava a sua data certa de nascimento. Zora era viúva do italiano Bruno Carosella, morto em 1998.

 

As informações são do portal G1.

 

 

Veja Também

Sergipe registra nas últimas 48 horas quase 2 mil casos de Covid-19 e 42 mortes pela doença

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) registrou neste final de semana (sábado e domingo) …

Open chat
Fale Conosco